domingo, 21 de setembro de 2008

ALPHA AUTOS 33ªEDIÇÃO - ALPHA SERVIÇOS

Zonas de deformação: o que faz e para que serve?

Sistema dá mais segurança aos ocupantes do veículo

Colaborou: Sérgio Vamprey

As zonas de deformação programada são algumas partes específicas do veículo com uma capacidade de ceder mais facilmente aos danos causados por uma colisão, preservando o habitáculo do veículo e assim aumenta a segurança dos seus ocupantes. As estruturas dianteira, traseira e lateral da carroçaria possuem estas zonas de deformação programada. As peças metálicas destinadas a esta proteção estão nas extremidades dos veículos e proporciona proteções frontal, lateral e traseira.

Nos veículos existem dois conjuntos que evidenciam bastante a zona de deformação programada: as longarinas dianteiras e traseiras. Longarinas é cada uma das vigas horizontais de aço sobre as quais fica a carroçaria. Elas são um dos componentes que constituem a carroçaria de um veículo e nelas são montados os suportes ao motor, as caixas de rodas e todo o conjunto de suspensão.

Como são produzidas as zonas de deformação programada?

As partes que recebem a aplicação de força são extraídos de soldaduras produzidas com energias crescentes, em aços de alta resistência e em ligas de alumínio. As soldas são realizadas pelos processos MIG (metal inert gas) convencional e MIG com corrente pulsada para os aços carbono, ligas de alumínio e aços inoxidáveis, respectivamente. A resistência das diversas zonas de soldas será obtida através de ensaios. Durante estes ensaios, a capacidade de deformação plástica das diversas zonas de solda serão registradas através de um instrumento próprio para medir deformações chamado extensômetro elétrico e mecânico, colados nas diferentes zonas para avaliar a deformação global.

Em quais veículos existe esta tecnologia?

Todo o veículo produzido pela moderna indústria automobilística utiliza esta tecnologia. Tanto o veículo chamado de popular quanto o top de linha, sem exceção. Isto ajuda a garantir a segurança dos seus ocupantes.

Nenhum comentário: